passarola quer voar: Dezembro 2007

sábado, dezembro 29

1. Como é que tudo começou?

- Hummm!! Estou a acordar. Afinal foi tudo um sonho. Agora vou abrir devagarinho os olhos, descobrir que estou na minha cama e tudo não passou de um pesadelo…

Mas antes de abrir os olhos, a Carlota já conseguia sentir a humidade e escuridão que a rodeava.

- Não!! Estou mesmo enfiada num buraco, sem saber como vou sair daqui... – sente o corpo dorido da queda e, assustada, esconde a cabeça nos braços. Num movimento rápido da cabeça, afasta o choro que começa a trepar-lhe pela garganta.

- Talvez me encontrem...tenho a certeza que estão todos à minha procura. Quem será que me vai encontrar primeiro? O Jorge e a Isabel? O Gaudi? O Ricardo? O Tomás e a Vera? O Mário e o Henrique? – quase sorri a pensar nos seus amigos - E se for o Simão ou o homem sem rosto? – O choro novamente – Não!! Calma, Carlota, pensa. Há sempre uma solução.

- Posso sempre sair por onde entrei... Mas… por onde é que eu entrei? Como é que isto tudo começou? Quando a minha mãe começou a pintar o quadro? No início das férias? Ou quando nasci?

Com os olhos mais habituados ao escuro, Carlota começa a explorar o buraco. Vê pequenas entradas de luz muito acima da sua cabeça, percebe que foi por aí que desceu e pensa que foi uma sorte não ter partido nada. Já de pé, dá uns passos em volta, analisando as escuras paredes de terra. Encontra pequenas pedras que começa a juntar – Recordar faz-me bem, afasta os pensamentos negativos – pensa enquanto continua a coleccionar pedras e paus de diferentes tamanhos, sorri ao lembrar-se das suas diabruras de pequena - Acho que já nasci talhada para acontecimentos estranhos...

- Quando é que eu comecei a meter o nariz onde não era chamada? Se não me engano foi logo que comecei a ler. Não podia aprender pelos livros da escola como os meus colegas, tinha que ser diferente. Foi por isso que escolhi os livros com aspecto mais velho e misterioso que encontrei no sótão dos meus avós. Assim, aprendi a ler com as maiores histórias policiais já escritas, no meio de muito pó e de pequenos bichinhos transparentes que me faziam comichão nas mãos.

Fiquei logo fã de todas as grandes personagens desses livros, fossem elas detectives, advogados, polícias ou simples velhinhas coscuvilheiras. Depois, comecei a imaginar que era a mais pequena detective do mundo e a resolver os pequenos mistérios da minha vida: Onde se escondeu a concha da sopa; quem comeu a última fatia de bolo; onde está a t-shirt velha do papá; quem escreveu uma palavra feia no quadro da escola - enquanto falava, com uma das pedras, ia desenhando um boneco na parede de barro. – E sabes quem se divertia muito com as minhas investigações? – pergunta ao boneco. – Os meus pais...

Foi de quem herdei esta mania de ser diferente – com a mesma pedra, escreve no barro o nome do pai. – O Jorge é escritor e viver com ele às vezes não é nada fácil. – Ri-se ao lembrar-se da vez em que entrou no escritório e o viu a discutir alto, sozinho, gesticulando muito. – Sabes que sempre que acaba de escrever imagina o que muitos dos grandes escritores pensariam da sua obra... e chega mesmo a entrar em grandes discussões com alguns deles – sente um arrepio na espinha. – Como o escritório dele é também biblioteca, imagino que vivem lá todos os fantasmas dos escritores dos livros que lá estão e são eles que deixam o meu pai tão alterado. Depois, fora do escritório é muito divertido e imaginativo. Fartamo-nos de brincar os dois.

Se estivesse a trabalhar neste momento, bem que eu podia estar desaparecida meses que era capaz de nem dar por isso... ao contrário da minha mãe – desenha o nome Isabel.

A minha pintora famosa adora ter-me ao pé dela sempre, mesmo quando está a trabalhar e eu, adoro vê-la de pincéis em punho, em duelo com a tela. Sempre que começa um quadro novo ela desenha, pinta, desenha, pinta, pinta e ainda pinta outra vez até que o quadro chegue exactamente onde ela quer que chegue.

Fica tão bem disposta a pintar que se farta de rir, dançar e cantar sozinha. Agora vou contar-te um segredo – aproxima-se do seu desenho e diz baixinho - Ela pede-me sempre que dê duas pinceladas pequeninas em qualquer zona da tela, em todos os seus quadros mas isso, ninguém pode saber... é para ver se alguém descobre.

Começa a desenhar uma casa. – A nossa casa também está sempre cheia de gente diferente. Por lá aparecem escritores, pintores, actores, músicos, ilusionistas e muitos outros artistas que chegam para almoçar, lanchar ou jantar e que sempre acabam por ficar muito mais tempo – Desenha muitas carinhas sorridentes dentro de casa.

- Uma das culpadas disso, é a Isaura, a nossa milagreira que tem a capacidade de multiplicar os seus deliciosos cozinhados de forma a que não falte nada. Às vezes imagino que tem uma varinha de condão que abana e... zás! No fim, a cozinha aparece impecavelmente limpa e arrumada como se nada se tivesse passado ali.

Mas a Isaura não pode encontrar-me com a sua varinha porque está de férias, longe de todas estas confusões....

Carlota encosta-se à parede a lembrar-se como ficou contente quando a mãe lhe disse que partiam para férias mais cedo do que o previsto por causa do calor que estava na cidade – Foi assim que decidimos vir aqui para a nossa casa de férias. Como temos uma pequena piscina, podemos dar uns mergulhos sem ter que andar muito e isso sabe muito bem quando está assim calor...

Carlota entretém-se a desenhar alguns pormenores no seu novo amigo, faz-lhe umas riscas nas calças, uns suspensórios e um boné. – Ainda não te contei que, por aqui, os meus melhores amigos são lagartos.

Quando era mais pequenina, a minha maior diversão era apanhar lagartos pelo campo.
Depois levava-os para casa, como quem leva um cão ou gato, a achar que precisavam de mim para tomar conta deles mas o meu pai, um dia, descobriu um a roer-lhe um livro e teve um ataque de fúria. Depois veio a minha mãe explicar-me que os lagartos gostavam de andar livres, que não eram bem animais de se ter em casa e eu, que já tinha percebido que, ou os fechava em caixas ou eles fugiam, decidi deixar de os contrariar, aos lagartos e aos meus pais...

Soltei-os mas fiquei sempre ligada a eles. Principalmente a um que tem uma mancha no focinho que parece mesmo um sorriso. – Carlota acabava de desenhar um sorriso num lagarto – Chama-se Jeremias e é sempre o primeiro que eu procuro assim que chego a esta casa.

Talvez tenha sido aí que tudo começou – olha em redor. – Sim, pensando bem, a culpa é toda dos lagartos... Ou não? O melhor é eu contar-te como tudo aconteceu desde o dia em que aqui chegámos.

...

Etiquetas: ,

A miúda dos lagartos

“A miúda dos lagartos” foi o primeiríssimo livro que escrevi, já lá devem ir uns quase três anitos. Depois comecei a fazer workshops de escrita e percebi porque é que esta história nunca deveria sair da minha gaveta…

Agora, em vésperas de entrada num novo ano e a viver um período com poucas novidades profissionais e até, confesso, um bocado desmotivante, fiquei com vontade de a relêr e de a partilhar… não com editoras por todas as falhas que lhe reconheço… mas, porque não com vocês que até me parece terem bom feitio e alguma tolerância para as minhas passarolices?… ehehehe!

A ideia é postar um capítulo por semana, do princípio até ao fim. São 26 capítulos, 26 semanas… têm pachorra? Dou-vos toda a liberdade de criticar, dizer mal, enxovalhar, ignorar… o que vos apetecer. (claro que vou deixar de visitar os blogues de quem o fizer, mas isso… ;)

Da releitura que fiz agora, duas coisas são evidentes… uma, a minha obcessão por mistérios de casas (A Casa do Vento foi o meu primeiro livro editado pela Verbo), a segunda, a minha obcessão por comida… hão de reparar que as minhas personagens não falham uma refeição! Mnham mnham…

Sem mais blá, blá, blá, blá, segue já em seguida o primeiro capítulo. Espero que gostem! :)

Etiquetas: ,

sexta-feira, dezembro 28

e a entrada em 2008...

... já sabem onde é que vai ser?

Uma sugestão...

;)

segunda-feira, dezembro 24

E eis que chegou...

...a vontade de fazer embrulhos, ajudar a rechear o peru, a enfeitar as travessas em casa dos meus pais... e ajudar a esvaziá-las em seguida... mnham mnham... :P


Um bom Natal... com muitos docinhos e prendinhas para todos!

sábado, dezembro 22

Hoje há Bailarico Sofisticado no Lounge!













E pela imagem, tenho cá para mim que o melhor é irmos salvar o Pai Natal, se queremos receber prendinhas este ano... :S

quarta-feira, dezembro 19

Uma manhã salva pela música…

É que a cama estava tão quentinha e o sono tão bom, que a música da Radar já estava a entrar-me nos sonhos sem me acordar, até a Inês se lembrar desta…



Assim, sim, vale a pena abrir os olhos! Depois o Dr. Ramos ajudou à boa disposição necessária para sair e ir para o Museu… enfrentar a tempestade (ok… são só alguns quarteirões, mas ainda com espaço para ganhar uma valente molha …) Já a tinha descoberto na Net e é verdade… estes gajos fazem música sexy que sa farta!! Som para ouvirem bem acompanhados ;)



U R A Fever!!!

terça-feira, dezembro 18

Os cinco mais…

Depois de ter ido ver ontem o novo filme do Cronenberg, e em época de listagens, tentei eleger os cinco filmes que gostei mais de ver este ano e… não consegui. Assim ao primeiro pensamento vêm-me os dois Grindhouse e o último do David Linch, mas de resto, posso ter visto mais um ou dois que gostei, que segui do princípio ao fim, que achei piada a alguns pormenores mas nenhum que me tivesse entusiasmado ao ponto de me lembrar dele assim de repente. Mas pode ser mau feitio meu… ;) E vocês? Têm cinco segundos para pensar nos cinco filmes que gostaram mais este ano… sem consultar blogs, diários ou agendas, quais são os primeiros que vos vêm à cabeça?

sexta-feira, dezembro 14

É hoje a festa mais adiada desde as obras de Sta Engrácia!!!!!

Hoje vou ter a casa inaugurada à séria! Vou ter cá tantos amigos que já perdi a conta às pessoas que vêm… Vou ter boa música, bons petiscos, copos e como se isso não chegasse para fazer uma grande festa… ainda vou ter, especialmente para os meus convidados... Tchanammmm!!!... Uma chuva de meteoros que vão ter a possibilidade de ver cair sobre o Rio Tejo, de uma varanda limpa de cagadelas de pombos (pelo menos até ao momento…) O que é que me dizem desta organização? ;) Se isto não é um sinal de que a vida que estou agora a começar vai ser fantástica, não sei o que será.
E mais que uma grande farra, para dançar all night long, esta vai ser uma comemoração de vida, com o melhor que a vida tem. Por isso, quem não pode vir, onde quer que esteja, peça um copo de uma bebida à escolha e, exactamente à meia noite levante o copo e faça um brinde à vida, nós aqui vamos fazer o mesmo. :)
E agora vou, com muito prazer e vontade, para a cozinha preparar mimos para os amigos…

A aparelhagem já está a aquecer, claro! Rooooolêêêêêêêê....

…Solta o frango e vem com a gente!!!

terça-feira, dezembro 11

O melhor momento do dia...



uma descoberta da gnoveva

Para ajudar à digestão…

…aproveitei um bocadinho a seguir ao almoço para limpar o WC de pombas a que já se assemelhava a minha pequenina varanda. Depois fiquei a pensar de que forma elas leriam este sinal…
“Esta casa de banho já está ocupada, é melhor mudarmo-nos para outra” ou… “olha, aqui vive uma menina muito simpática que nos limpa a sanita… já não queremos outra varanda!!” :S

domingo, dezembro 9

Hei ho d3ô e parabéns aos Maiorais!

Porque a noite foi perfeita! E só podia ser! Depois de um dia descontraído de passeios, a festa começou logo ao jantar. Como um jantar de um grande grupo de amigos, organização, bandas, fãs, todos juntos em grande comemoração. Pela noite, pelo quase 1º aniversário dos Maiorais, pelo aniversário do Pedro, o baterista dos The Hypers, pelos concertos que estavam quase a começar, pela festa que é estar com aquela gente de Rio Maior. Barriga cheia, rumámos ao Inabar, onde O Paulinho para todas as obras, fez as honras da casa e nos recebeu com grande som. Grande DJ Paulinho, de ti não esperava outra coisa. ;) Depois vieram os The Hypers, uma bela surpresa. Já tenho aqui o disco de apresentação deles, Coming out Loud, e venham sim, cá para fora e bem alto, que têm bom som, têm estilo, têm tudo para isso… Fico à espera desses concertos em Lisboa. :)
E a seguir, claro… o momento mais esperado da noite, os grandes d3ô, Toni, TóRui e Miguel que mais uma vez deram um concerto tão bom, mas tão bom que nem sei que palavras usar para o descrever. A certa altura o Toni pergunta, não sei se conhecem esta… não??? Nós conhecemo-las todas e berrávamos e saltávamos e moshávamos e vibrámos tanto que era preciso estar lá e sentir para perceber. E os d3ô, cansados, suados, esgotados diziam… vamos cantar a última música da noite… e nós gritávamos não!!! Hei ho d3ô… vocês não podem parar… e eles davam… porque eles dão… Dão bom rock, boa energia e muito, muito suor! As gotas a escorrerem -lhes da testa e nós a pedir mais. Do you need to see me bleed? E eles sangram e nós gritamos loveyouloveyouloveyouloveyou… e é mesmo amor! E é por isso que os concertos deles são tão brutais e tão quentes e tão cheios de tanta coisa que… lá está… é preciso estar lá para saber! :)
Querem oferecer-vos uma bela prenda de natal? Encomendem já uma das caixinhas de coleccionador, d3ô, The Box, onde estão todos os EP’s, pins, autocolantes…sei lá mais o quê… em edição númerada e limitada. Reservem já as vossas que elas vão voar em pouco tempo. Conselho de Passarola!! Eu já encomendei uma!
E depois da febre toda que já tinha sido o concerto, a noite segue em grande com as escolhas de Mister Rui Ferreira… com muitas covers, como não podia deixar de ser, e em grande, como também não podia deixar de ser. :) Para não parar de dançar até ao final da noite. Completamente inesquecível!! Concertos em Rio Maior, podem contar comigo! Os Maiorais são os Maiores e vou querer voltar muitas vezes… Loveyouloveyouloveyouloveyou!!!

… e agora, descansar, poupar energias e começar a contagem decrescente para a festa de inauguração tão esperada, da minha casita. ;) Oh Yeahhhhhhh.

Etiquetas: , , ,

quinta-feira, dezembro 6

Coisas boas de véspera de fim de semana...





já tenho a passarola, que trouxe de Barcelona, a voar no tecto da minha sala... :)



E já é quase Sábado!!!!


quarta-feira, dezembro 5

Um buraco negro a papar uma estrela...



mnham mnham mnham...

terça-feira, dezembro 4

"I've got a hole in me pocket"

segunda-feira, dezembro 3

eh pá...

há muito tempo que não via a BritCom e hoje tinha-me lembrado mas como nunca mais começava, pensei ir para a cama ler e borrifar na TV. Muitas gargalhadas depois, ainda bem que não fui...
:D

The Omid Djalili Show...


domingo, dezembro 2

A Radar é muito à frente!!

Consegui finalmente ouvir O Rapaz do Calendário e gostei! Gostei do formato e das escolhas musicais do André Murraças. Vou querer saber mais das semanas dele. :) Ainda não apanhei o José de Pina, a ver se é amanhã... Agora, o que eu não quero perder é a estreia do António Sérgio, já amanhã à noite. Boa, Radar!!